Categories
Gestão de pessoas

3 dicas para melhorar o trabalho em grupo em empresas

Trabalhar em uma empresa com muitas pessoas pode não ser uma tarefa fácil para todo mundo. Alguns processos precisam passar por muitos profissionais, podendo haver uma falha na comunicação que prejudique de alguma forma o produto ou serviço.

Além disso, também pode gerar um atrito entre os colaboradores que afete a empresa.

Trabalho em grupo

Mas vamos abordar nesse texto três dicas para que você possa melhorar o trabalho em grupo na sua empresa!

#1 Estimule a comunicação e a conexão do seu time

Parece ser uma dica óbvia para melhorar o trabalho em grupo, mas não deixa de ser efetiva. Comemorar os aniversários, happy hours, momentos de discussão em grupo, feedback 360 e etc. São exemplos de situações que os colaboradores têm a oportunidade de falar, socializar, fortalecer os laços que ali existem.

Consequentemente, isso vai melhorar o trabalho em grupo como um todo. Um time mais unido e sinérgico, reforçando os comportamentos positivos dos outros, e achando novas maneiras para melhorar os comportamentos que não agradam o restante.

Tudo isso precisa ser conduzido, para que pessoas com uma inibição social maior, também se sintam parte do time. E também, para que os pontos de atrito não aumentem, estimulando esse maior contato.

#2 Entenda a particularidade de cada pessoa  e aloque-as corretamente

Quais os perfis do seu time? As pessoas são na sua maioria extrovertidas ou introvertidas? São questões como essa que vão balizar sua escolha na formação de times, seja em times fixos ou temporários.

As pessoas que enxergam o mundo de forma semelhante, tendem a ter uma melhor convivência. Isso contribui para um melhor trabalho em grupo. Dessa maneira, evita atritos e com absorção parecida nas questões de engajamento, então só vai precisar haver uma via de estímulo.

Nesse quesito, já existem ferramentas que conseguem fazer agrupamento por cluster das pessoas da sua empresa, ideais para formação de times de trabalho.

#3 Promova uma boa saúde mental

Parte de trabalhar bem em grupo é estar bem por si só. E, nesse aspecto, as doenças mentais afetam significativamente a forma como uma pessoa se relaciona com as demais, principalmente em um ambiente de trabalho.

Os gestores geralmente só percebem a ponta do iceberg, quando um colaborador precisa se ausentar ou é afastado. Mas antes disso vários sinais são dados que algo não está bem e a empresa acaba perdendo dinheiro ao longo desse processo.

Portanto, os programas de saúde mental e o acompanhamento dos funcionários é primordial para que possam estar bem e interagir com os demais.

Liberando o fluxo de trabalho e até mesmo estimulando o trabalho em grupo, quando uma pessoa passa ajudar a outra.

Todas essas dicas já vão te guiar para melhorar o trabalho em grupo na sua empresa. É claro que existem vários outros fatores para serem levados em conta e entender a particularidade daquele ambiente com aquela combinação de pessoas.

Não existe uma receita de bolo! Por isso, ter uma análise específica das pessoas da sua organização garante uma maior assertividade nos programas que for implementar e minimizando os efeitos colaterais que possam surgir.

Progredindo com sua equipe não só no trabalho em grupo, mas nas relações de profissionais, você estará investindo no que é dito por muitos “O maior ativo de qualquer organização, são as pessoas certas nos lugares certos”.

Não se esqueça que é um trabalho contínuo e progressivo.

PARA SABER MAIS

Agora que você sabe como melhorar o trabalho em grupo na sua empresa, veja também alguns fatores que podem gerar conflitos!

Quer entender mais como melhorar o setor de gestão de pessoas e potencializar os resultados da sua equipe? Entre em contato e saiba como nossas soluções podem te ajudar!

Categories
Gestão de pessoas Recrutamento e Seleção

3 dicas para contratar bem um novo colaborador

Dicas do que levar em consideração na hora de contratar um novo colaborador para sua empresa

Em meio a cenários cada vez mais competitivos com mercados acirrados e muitas novas empresas surgindo, um “recurso” primordial passa a se tornar cada vez mais escasso, talentos.

Entende-se como talento nas empresas uma pessoa capacitada e com características de personalidade e comportamentais que as fazem performar bem em determinada função.

contratar bem

Com essa definição, podemos perceber que a pessoa pode ser um talento para uma vaga e não ser para outra, já que tudo depende da sua aplicação.

Mas o que é unânime em todos os grandes recrutadores é identificar o potencial de se desenvolver daquela pessoa, uma característica chave que vamos abordar mais no final desse post.

Entendo a vaga

O primeiro passo antes de contratar é entender bem a vaga e a área de atuação. 

Primeiramente, quais são as competências técnicas que alguém precisa ter para executar bem esse trabalho?

Precisa falar outra língua? Manusear algum instrumento? Essas e outras perguntas básicas que precisam ser respondidas.

Mas o que muitas pessoas esquecem, é de fazer as perguntas no âmbito de personalidade/comportamental.

Essa pessoa precisa ser extrovertida, pois vai ter um contato maior com pessoas ou é um trabalho mais solitário e talvez alguém com uma inibição social maior seja melhor?

A vaga requer um controle emocional ? A vaga pode acomodar a pessoa com um certo tempo?

É preciso refletir sobre como a vaga é, quais são as características e o que ela gera no colaborador, para aí sim poder projetar um perfil ideal a se contratar.

Divulgando sua vaga 

Parte importante do seu processo vai ser a divulgação da vaga, afinal, não adianta ter feito uma bela análise de requisitos para a vaga se não vão haver candidatos, não é mesmo?

E o canal que vai utilizar para a divulgação da sua vaga, também vai depender dela. 

Mas a dica nesse ponto é utilizar o Linked In, uma grande rede profissional usada no mundo todo. E pode te ajudar a inclusive visualizar possíveis candidatos, como também, pessoas que trabalham em concorrentes por exemplo, que você pode fazer uma oferta.

Divulgar em universidades, sites próprios para vagas 

É preciso utilizar do canal de comunicação mais adequado, em que você acredite que seu futuro colaborador esteja. 

A pessoa

Sempre falamos de pessoas, por mais que seja um candidato, um profissional, um currículo, há um ser humano por trás de todas e quaisquer qualificações que podemos colocar.

E entender que as pessoas são diferentes é o primeiro passo para encontrar alguém que a diferença possa agregar no seu negócio.

Portanto, é preferível que você contrate uma boa pessoa antes de um bom profissional, pois competências técnicas podem ser adquiridas, já quem nós somos não pode ser facilmente mudado.

Uma coisa para ser levado em conta sempre é o POTENCIAL. Que aquela pessoa tem de ser tornar melhor. 

Embora o potencial seja um indicador chave, pela sua subjetividade, vamos trazer outros critérios para você avaliar também.

Inteligência: avaliar de uma maneira mais geral (analítica, verbal, matemática e o raciocínio lógico), levando em conta a bagagem educacional e as experiências prévias de trabalho.

Valores: valores são cruciais e você não pode esperar transmiti-los no trabalho. É importante saber se a pessoa tem valores essenciais como honestidade e integridade, mas também os fundamentais a sua organização.

Habilidades para liderança: 

  1. Orientação Estratégica
  2. Percepção de Mercado
  3. Orientação para resultados
  4. Sintonia com o cliente
  5. Colaboração e influência
  6. Desenvolvimento organizacional 
  7. Liderança de equipe
  8. Liderança para a mudança

PARA SABER MAIS

Agora que você sabe como contratar bem um novo colaborador, veja também quais as ferramentas de contratação mais efetivas.

Confira nosso infográfico: análise das atividades do setor de RH ao longo do tempo.

Quer entender mais como melhorar o setor de gestão de pessoas e potencializar os resultados da sua equipe? Entre em contato e saiba como nossas soluções podem te ajudar!

Categories
Gestão

5 dicas para começar bem o ano na sua empresa

É chegado o começo do ano, energia e votos renovados para fazer de mais um ano, o melhor que ele poderia ser. Mas neste momento, vem algumas questões: como será o da minha empresa?

Algumas pessoas já vão saber a respostas e vão estar até tranquilas, mas a grande maioria fica com uma pulga atrás da orelha nessa hora. Mas calma que vamos dar 5 dicas para você começar bem o ano!

começar o ano

#1 Clareza

Para começar, parece uma coisa simples, mas mesmo assim muitas pessoas negligenciam. 

E muitas vezes nos negócios, a clareza faz a diferença.

Você tem clareza suficiente sobre seu negócio? Consegue explicar o que você faz de uma maneira simples para uma pessoa de qualquer nível de instrução?

Isso é muito importante! O seu posicionamento precisa estar claro para todas as pessoas, e principalmente, para seu potencial consumidor.

Mas a clareza vai além disso, definir o que precisa ser feito como também o que não pode ser feito de jeito nenhum.

Seja algum erro que não pode se repetir ou algum caminho que não queiram trilhar novamente.

Certifique-se que o entendimento da empresa seja o mesmo para todas as pessoas envolvidas e que todas tenham clareza do que precisa ser feito no dia-a-dia.

#2 Destino 

Estabeleça onde quer chegar e como vai mensurar isso.

Parte importante de um ano de sucesso é estabelecer um destino, uma meta, para que possa passar o ano trabalhando em cima desse desafio.

Já que grandes conquistas demandam tempo e energia para serem alcançadas, um ano é um bom espaço de tempo para atingir algo notável na sua empresa.

Mas tão importante quanto estabelecer onde chegar é estabelecer como vai saber que chegou lá, qual o indicador vai acompanhar?

Faturamento? Lucro? NPS? Net? Número de serviços/produtos entregues? Um composto de alguns outros indicadores?

#3 Planejamento 

Que planejar é importante todo mundo sabe, mas muitas vezes não fazemos pois priorizamos outras coisas, quem nunca né?

Se planejar não é escrever no papel cada ação que vai executar no ano seguinte, você pode muito bem fazer um planejamento mais geral se não tiver muito tempo para gastar nesse ponto.

Pode dividir por trimestres, quais os resultados chaves que quer alcançar a cada 3 meses? Quais vão ser os indicadores de sucesso?

Quem vai ser o responsável por cada área? Quais serão os focos de cada setor?

Metodologias como 5W2H podem te ajudar muito nessa etapa de planejamento e como começar o ano.

#4 Análise & Inovação

Um bom ano é fruto da capacidade do gestor de prever algumas mudanças e propor inovações. É preciso estar atento a todo momento, profissões são criadas e outras deixam de existir muito rápido.

Como exemplo podemos citar uma empresa que vendia filmes para câmeras fotográficas, que deixou de existir por uma falta de análise ou inovação.

Algumas perguntas que podem te guiar para um novo ano são: será que tem alguma tecnologia que vai interferir/melhorar meu produto ou serviço?

Como o mercado está para o próximo ano? A previsão de consumo é crescente ou decrescente ? E a economia, como deve andar?

#5 Invista em pessoas 

Seu ano só vai ser bom se você puder contar com boas pessoas ao seu lado.

Afinal, como diz o ditado “Se quer ir rápido, vá sozinho; se quer ir longe, vá acompanhado”.

As pessoas que estarão com você nessa jornada serão essenciais para o seu sucesso, elas precisam estar alocadas corretamente e desempenhando um bom trabalho.

É importante saber como motivar ou chamar atenção de cada pessoa, nós somos muito diferentes um dos outros e o que pode ser bacana para uma pessoa, não é necessariamente para outra.

Por isso atenção! Mantenha as pessoas da empresa engajadas para que possam ser produtivas.

PARA SABER MAIS

Depois de ver algumas dicas para começar bem o ano na sua empresa, não deixe de conferir outros materiais em nosso blog. Veja também como aprimorar seu processo de tomada de decisão.

Baixe nosso ebook com dicas para tomar melhores decisões.

Quer entender mais como melhorar o setor de gestão de pessoas e potencializar os resultados da sua equipe? Entre em contato e saiba como podemos ajudar com nossas soluções!

Categories
Gestão de pessoas

Desafios e oportunidades na gestão de pessoas

Compreender as necessidades dos colaboradores, lidar com as suas subjetividades e conciliá-las aos objetivos organizacionais exige um trabalho constante de análise e busca de soluções.

Por isso, o setor de gestão de pessoas se faz tão relevante em uma organização. 

gestão de pessoas

Nesse sentido, entendemos que uma gestão de pessoas eficiente é fundamental para as equipes gerarem os resultados esperados. Contudo, são inúmeras as situações enfrentadas pelo gestor de pessoas para potencializar o desempenho organizacional.

Mas do que exatamente estamos falando? Que tipo de situações o gestor de pessoas têm que lidar?

Neste post, vamos falar a respeito dos principais desafios e oportunidades no setor de gestão de pessoas. O objetivo é fazer com que sua empresa tenha um excelente desempenho e destaque-se frente à concorrência. Confira!

Desafios na gestão de pessoas

A gestão de pessoas seja uma área cada vez mais relevante e estratégica no setor empresarial.

Porém, muitos desafios fazem parte do dia a dia dos profissionais de Recursos Humanos.

Baseado em nossa experiência, listamos aqui os 5 principais enfrentados:

Conhecer os colaboradores

Identificar o perfil profissional dos funcionários da empresa é fundamental para uma gestão bem-sucedida. Pois, é isso que vai nortear as estratégias a serem adotadas e garantir o sucesso da organização. 

É importante, ainda, conhecer melhor a habilidade de cada pessoa da sua equipe na hora de remanejar as funções, realocar um colaborador, aproveitar melhor as qualidades de cada um ou mesmo adotar um modelo eficiente de competência. 

Outro ponto essencial é o entendimento e análise do perfil comportamental dos colaboradores para que assim as decisões sejam tomadas de maneira estratégica.

Neste sentido, se faz necessário levar em consideração a subjetividade dos colaboradores para que as ações traçadas sejam eficazes.  

Colocar as pessoas nas funções adequadas

Você já deve ter se deparado com um cenário em que pessoas consideradas funcionalmente incapazes e que estavam prestes a ser dispensadas, mostraram-se incrivelmente competentes em outra função, na mesma empresa.

Essa situação é comumente vista nas organizações, uma vez que os colaboradores são realocados de funções e aumentam consideravelmente seu desempenho. Por isso, esse desafio faz parte da rotina de um profissional de RH.

Ainda nessa perspectiva, antes de tomar uma decisão que acarrete em um custo  que pode ser evitado é importante, fazer os seguintes questionamentos a respeito dos colaboradores:

  • Será que aquela pessoa é realmente incapaz ou ela está no lugar errado? 
  • As habilidades que ela é capaz de realizar, são os requeridos para a função em que ela ocupa? 
  • Será que ela está feliz fazendo o que estamos pedindo a ela? Ou está insatisfeita por sentir ou saber que está na função errada?

Assim, para colocar a pessoa certa no lugar certo, deve ser feita uma análise comportamental e de habilidades (o que a pessoa realmente irá fazer e como deve fazer).

Para isso, veja também nosso texto sobre Avaliação de Desempenho.

Aumentar a produtividade do time

O desenvolvimento dos colaboradores gera consequências positivas em diversos âmbitos de uma empresa. Esses resultados podem ser vistos de várias maneiras, porém, a forma mais concreta é através do aumento da produtividade.

E este último, por sua vez, é algo buscado por todos os gestores, seja ele de qualquer segmento ou tipo de atuação. Isso por que a coordenação exemplar de equipes e colaboradores produtivos e motivados é o grande objetivo de quem ocupa um cargo de liderança dentro de uma empresa.

Reter talentos

Para obter uma equipe de excelência, não basta identificar e contratar ótimos profissionais. Sua empresa precisar ser capaz de atuar na retenção desses talentos. Fazendo, assim, com que eles permaneçam na organização. 

O principal erro, nesses casos, é que muitos gestores acham que a decisão de permanecer ou não em uma organização está apenas atrelada ao salário.

Mas, a verdade é que as pessoas permanecem em seus empregos por diversas razões. E o desafio é justamente perceber quais são as medidas a serem tomadas para que os talentos sejam retidos, pois, é isso que vai determinar as suas estratégias.

Fatores como a possibilidade de promoções internas no plano de carreira, flexibilidade da rotina de trabalho, tomada conjunta de decisões, concessão de benefícios diferenciados e o investimento em capacitação são exemplos de incentivos que não estão diretamente ligadas ao âmbito salarial, mas que são de extrema relevância para muitas pessoas.

Posto isso, é importante que o gestor de RH saiba trabalhar bem todas essas necessidades particulares. Isso será feito com acompanhamento próximo à cada colaborador para garantir a retenção dos talentos.

Manter a motivação da equipe

Colaboradores motivados e empenhados em garantir o sucesso da empresa apresentam desempenho bastante superior. Principalmente em relação aos que não executam suas funções com o mesmo entusiasmo. Considerando, então, o contexto organizacional, a motivação é conhecida como o combustível da produtividade. 

Entendendo, portanto, o quão fundamental é manter todos motivados em uma organização, o RH precisa adotar estratégias para manter constante o engajamento. Isso irá potencializar a proatividade na equipe, incentivando os talentos a darem o seu melhor no dia a dia.

Deste modo, para que as ações de engajamento sejam tomadas de maneira eficaz, o primeiro ponto que citamos se torna essencial. O RH necessita conhecer a subjetividade de cada um para adotar práticas que funcionem e tragam o retorno esperado.

Oportunidades na gestão de pessoas

Para se destacar no mercado e estabelecer um diferencial competitivo em relação a concorrência, é preciso adotar boas práticas de gestão que melhore o desempenho da sua equipe. 

Graças às mudanças constantes do mercado atual, as organizações vêm passando por transformações em suas estruturas. O foco principal dos empreendimentos passaram a ser os ativos humanos (funcionários). Logo, para acompanhar esse novo ritmo, as empresas começaram a adaptar suas equipes de Recursos Humanos.

Com a revolução digital, a tecnologia tem dado subsídio para os processos. Isso tem feito com que eles sejam executados de maneira mais eficiente pelas organizações. Isso não é diferente no setor de recursos humanos.

Implementar uma ferramenta para otimização dos processos de recursos humanos pode possibilitar a redução do esforço da sua empresa na:

  • Identificação das características comportamentais;
  • Classificação dos perfis adequados de trabalho
  • Reconhecimento de problemas e ameaças 
  • Descobrimento de pontos positivos e oportunidades 
  • Identificação de competências profissionais

Um exemplo de ferramenta que pode contribuir nesse quesito é a Animus Plus, que possibilita a avaliação das emoções e comportamentos que interferem na produtividade e nas relações pessoais, por meio de algoritmos matemáticos e análises estatísticas para simplificar o complexo e gerar informações realmente úteis.

PARA SABER MAIS

Nosso texto chegou ao fim, mas não deixe de conferir outros materiais em nosso blog. Baixe nosso ebook: Reconstruindo o setor de RH para saber mais!

Quer entender melhor como melhorar o seu setor de gestão de pessoas e potencializar o resultado da sua equipe? Fale com um de nossos especialistas e entenda melhor como isso pode ser feito. 

Categories
Gestão de pessoas

A Revolução Tecnológica no capital humano das empresas

É impossível nos dia de hoje dissociar uma empresa de resultados de bons colaboradores. A relação entre o capital humano da empresa e o sucesso da organização passa a ser cada vez maior.

Dessa forma, novas tecnologias chegam para somar a área de recursos humanos, fazendo uma verdadeira revolução.

No entanto, com a revolução no capital humano das organizações, muitas empresas baseadas em conceitos antigos não aderem às novas tecnologias.

Dessa maneira, acabam perdendo uma grande vantagem competitiva perante os concorrentes.

Isso se deve ao fato a existência de diversas tecnologias e com elas muitas promessas que acabam confundindo a cabeça dos gestores.

Iremos abordar a tecnologia que de fato proporciona a revolução tecnológica no capital humano das empresas que é: Data Science.

revolução tecnológica

Mas antes de abordar a tecnologia, é necessário entender o conceito e a importância do capital humano nas organizações.

Capital humano

Capital humano é tudo aquilo que envolve o know how, habilidades e atitudes que favorecem a realização de trabalho afim de produzir valor econômico. O que a educação, experiência e vivência na área do colaborador permite criar para a organização.

Podemos dizer que o capital humano de uma empresa é o conhecimento aplicado das pessoas que ali trabalham.

Sendo que esse conhecimento pode ser mal gerido ou até mesmo diminuir com a saída de alguns colaboradores.

Logo de cara pode-se notar que quanto maior o capital humano de uma empresa, mais facilmente consegue se destacar de um concorrente, atravessar tempos ruins e vir a ter sucesso.

Então, visto isso, como podemos fazer uma gestão efetiva do capital humano em uma empresa?

A tecnologia nos ajuda a responder.

A revolução tecnológica

Não é surpresa para ninguém que a tecnologia vem mudando nossas vidas cada vez mais rápido. E nas organizações não tem sido diferente.

A tecnologia tem conseguido propor soluções para as empresas que antes eram inimagináveis, com isso as organizações ganharam muito mais capacidade de execução, conseguem monitorar indicadores mais facilmente, controlando melhor o processo e assegurando mais a qualidade.

A busca por processos mais eficientes, novos produtos e análises mais eficazes tem impulsionado essa revolução tecnológica nas empresas.

Em uma dessas buscas, surgiu o Data Science.

Data Science

Data science ou a ciência dos dados, tem se tornado muito popular entre as empresas nos dias de hoje.

A palavra em si tem sido bastante utilizada, virou um sinônimo de avanço em tecnologia para as empresas.

Dizer que você usa Data Science no seu negócio é quase um atestado de modernidade. Porém muitas vezes as pessoas que falam não sabem ao fundo sua verdadeira aplicação ou não utilizam de fato.

Mas vamos esclarecer o que de fato é o Data Science e qual sua aplicação.

A ciência dos dados é trabalhar todos os dados, organizados ou não, do mercado e da empresa, a fim de avaliar as informações disponíveis, o processo de captura, transformação do dado, geração e, posteriormente, análise e compilação de todos os dados.

Tudo isso pensando na perspectiva do negócio e de como a empresa pode usar uma base de dados para fazer análises preditivas ou como tomar a melhor decisão possível.

Aplicação do Data Science

A aplicação do Data Science é muito vasta, mas para ilustrar melhor vamos pegar um exemplo específico.

Imagina uma empresa com mais de 100 funcionários em seus diferentes níveis. Essa empresa enfrenta alguns desafios para gerir todo esse capital humano da melhor forma. Assim, utilizando o Data Science para responder algumas perguntas conseguem ser mais assertivos nas decisões.

Quanto tempo em média um colaborador fica na organização?
Qual a necessidade da empresa de contratar por mês?
Qual perfil de colaborador desempenha o melhor resultado na empresa?
Quantos colaboradores pedem demissão?
Qual o perfil do colaborador que pede demissão?
Qual a formação dos colaboradores que tem o melhor desempenho?

Utilizando o Data Science para responder essas perguntas, o gestor dessa organização conseguiria por exemplo: diminuir o Turn Over, aumentar o engajamento da empresa com contratações mais assertivas e conseguiria ter ações mais clara para manter e desenvolver o capital humano dessa organização.

Como isso pode ajudar?

De nada serve o conhecimento se não aplicado não é mesmo?

Identificando Problemas!

O Data Science serve sobretudo para identificar problemas.

É incrível como os dados podem mostrar uma realidade que somente olhando para uma empresa não conseguimos enxergar. Conseguir identificar os problemas é o primeiro passo para resolvê-los e para a revolução do capital humano nas empresas, isso é imprescindível.

Maximizando oportunidades

Quais as oportunidades que se apresentam que podem ser lucrativas para a empresa? O uso de dados consegue fazer uma análise do que já foi realizado para poder fazer previsões.

Mas falando na revolução do capital humano, como as pessoas podem reagir a um determinado estímulo, qual o melhor estímulo a ser dado e qual as melhores contratações são perguntas que, quando respondidas corretamente pelo Data Science, podem gerar grandes oportunidades para a organização.

Então, afinal, o que é a revolução tecnológica no capital humano das empresas?

É o uso do data science para analisar os dados, identificando problemas, maximizando as oportunidades e ajudando a tomar decisões nas organizações a fim de aprimorar e manter o capital humano nas organizações.

Como foi abordado no texto o capital humano na organização bem gerido faz toda a diferença. Aliar todo o conhecimento dos colaboradores com vontade de aprender mais, engajamento e produtividade é um fator determinante para o sucesso.

PARA SABER MAIS

O que achou do conteúdo? Veja também nosso blogpost sobre a psicologia da produtividade. Baixe nosso ebook: Reconstruindo o setor de RH.

Quer entender mais como melhorar o setor de gestão de pessoas e potencializar os resultados da sua equipe? Entre em contato e saiba como podemos ajudar com nossas soluções!