Categories
Recrutamento e Seleção

Quais as ferramentas de recrutamento mais efetivas?

Otimizar o processo de recrutamento e seleção de uma empresa é algo que deve sempre estar na mente do profissional de RH. Isso se deve à rapidez com que a tecnologia tem transformado os processos.

A cada instante surgem novos recursos capazes de otimizar procedimentos e simplificar ações em todas as às áreas, inclusive a de Recursos Humanos. E porque não aproveitar a inovação e melhorar a capacidade de recrutamento na sua empresa?

Confira nosso ebook: Reconstruindo o setor de RH.

Ferramentas de recrutamento

É sobre isso que falaremos neste post que o levará ao conhecimento das ferramentas de recrutamento mais úteis para ajudá-lo nas contratações, para que você faça delas um diferencial da sua empresa no mercado. Confira!

Softwares de análise de comportamento

Você pode entender o perfil do candidato antes mesmo da entrevista. Com softwares específicos é possível obter dados precisos e ganhar tempo.

Eles permitem uma seleção prévia em função daquilo que realmente é interessante para a companhia em termos de comportamento. Assim você tem como chamar para a conversa final, somente quem realmente está alinhado às necessidades da empresa.

Além disso, esse recurso permite que você identifique o perfil da sua equipe e, em função desses resultados, direcionar melhor a condução do processo de seleção.

Redes sociais

Não pense nas redes sociais como algo restrito a entretenimento. O fato é que o uso profissional delas tem crescido cada vez mais, transformando as relações de trabalho.

Isso acontece porque, com elas, é possível aproximar os profissionais entre si e os candidatos das empresas. É o caso do LinkedIn, ferramenta que pode ser usada também para fins de recrutamento profissional.

Dentro do LinkedIn você pode fazer uso de diversas funções, como a divulgação de vagas e trocas de informações a respeito de como conduzir adequadamente os processos.

Softwares de recrutamento e seleção

Uma solução dessa natureza simplifica a vida do recrutador de diferentes formas, como no gerenciamento das fases do processo e na centralização das ações em um mesmo lugar.

Softwares de recrutamento e seleção otimizam o fluxo de informações, automatizando uma série de atividades que demandariam tempo e energia dos responsáveis.

Imagine contar com um recurso capaz de diminuir o tempo gasto com tarefas burocráticas e demoradas, permitindo à equipe de RH ter uma atuação mais estratégica. É isso o que essa ferramenta oferece.

Portais de vagas

Em tempos modernos, essa ferramenta já é mais do que conhecida. Quem nunca se inscreveu em sites como o Catho e o InfoJobs em busca de uma oportunidade?

Até algum tempo atrás havia um gasto enorme de tempo e energia para a efetivação de contratações.

Hoje, basta o usuário fazer seu cadastro e a empresa detalhar a vaga oferecida.

Além disso, o banco de dados e a possibilidade de aplicação de filtros tende a sofisticar a busca por ambas as partes.

Essas são algumas das ferramentas de recrutamento que podem sofisticar a sua busca pelo candidato ideal e assim dar uma nova cara ao RH da empresa. Fique de olho nelas e explore as suas potencialidades.

PARA SABER MAIS

Agora que você já sabe mais sobre ferramentas de contratação, veja também nosso blogpost com 3 dicas para contratar bem um novo colaborador.

Quer entender mais como melhorar o setor de gestão de pessoas e potencializar os resultados da sua equipe? Entre em contato e saiba como podemos ajudar com nossas soluções!

Categories
Gestão de pessoas

A psicologia da produtividade

Entender a Psicologia da Produtividade é essencial para quem deseja aumentar o rendimento de um time de trabalho com o menor custo possível. Para seguir essa compreensão precisamos antes definir alguns conceitos:

  1. O que é produtividade?
    Resumidamente produtividade é a capacidade de se produzir. Relaciona-se com eficiência e avaliada em funçãoda entrega de trabalho (por unidade ou valor final) em determinado período de tempo.
  2. Quais fatores se relacionam a produtividade?

Dessa maneira, existem diversos fatores que influenciam na produtividade, podemos dividir em 3 grandes grupos.

produtividade

Assim, o primeiro grupo diz respeito ao local no qual a organização está, país e/ou estado é o mais macro (cultura, ambiente econômico, legislação e burocracia…);

O outro grupo se relacionado com o setor em que a organização se encontra (nisso existe variação no nível educacional, na complexidade do negócio e no grau de tecnologia empregado);

Por fim, o terceiro fator relacionado a produtividade é exatamente aquele onde se pode atuar de maneira mais rápida e diz respeito ao próprio executor do trabalho, a pessoa por trás da função.

No que diz respeito as pessoas, quais fatores podem influenciar na produtividade?

Essencialmente quando olhamos para as pessoas podemos perceber que existem 2 pontos críticos. Um se relaciona a gestão geral adotada (a cultura corporativa, processos empregados e a capacidade de tornar o conhecimento perene). Esse primeiro ponto crítico é geral da organização (seja ela uma empresa, uma ONG, uma escola ou qualquer tipo de empreendimento).

Vamos chamar esse ponto de Gestão Geral (GG) porque se relaciona com todas as pessoas que atuam diretamente na organização.

O outro ponto crítico é o mais pessoal, chamaremos de fator individual (FI) e diz respeito a cada pessoa de forma individualizada. Aqui estamos falando de capacidade técnica, experiência, nível intelectual, motivação, valores pessoais, e dos aspectos cognitivos e emocionais.
É fácil depreender que o Fator Individual (FI) se relaciona intimamente com a Gestão Geral (GG). E é em ambos os casos que a Psicologia da Produtividade se aplica como iremos detalharemos a seguir.

Desse modo, para efeitos didáticos vamos considerar todos os aspectos psíquicos e faculdades mentais relacionados ao trabalho como Psicologia da Produtividade.

A Psicologia em si flutua entre ser um ramo da filosofia (logo mais relacionado a teorias humanas) e a ciência com seu início no século XIX com o médico alemão Wilhelm Wundt criador da Psicologia Experimental (onde o método empírico é empregado).

Fizemos essa breve observação para adequar que o que chamaremos de Psicologia da Produtividade abrange aspectos mentais diversos, alguns mais biológicos (como a capacidade cognitiva) e outros mais“sociais”(cultura por exemplo). Não por acaso ambos aspectos acabam se relacionando como os Fatores Individuais e a Gestão Geral.

Gestão Geral (GG)

Sobre a Gestão Geral das pessoas na organização vemos influência muito significativa dos processos que são aplicados e da cultura corporativa. Ambos os casos são decididos pela liderança e repassados para toda a equipe.

Gestão de talentos, formas de remuneração e reconhecimento, tudo acaba se relacionando com a construção de uma cultura corporativa e se sistematiza na construção dos processos internos.

Dessa forma, abordagens relacionadas a Psicologia social e com análises de relacionamentos interpessoais ajudam de maneira didática.

Atualmente com o avanço do Data Science o cruzamento de dados populacionais pode nos trazer insights muito úteis.

É importante termos bem assimilados que a Gestão Geral (GG) é mais do que o somatório das pessoas, ou seja, é mais do que o somatório dos fatores individuais (FI). Mas se não tivermos esse diagnóstico, ou seja, se não tivermos a soma dos fatores individuais bem quantificada, as intervenções na Gestão ficam muito menos embasadas do que o desejado.

Na verdade, sem uma medida quantitativa a Gestão fica mais na esfera especulativa abrindo espaço para tentativas e erros num setor onde existem centenas de variáveis para serem analisadas.

Isso nos permite concluir que toda a construção da Gestão Geral de Pessoas deve também ter em conta a análise dos Fatores Individuais de cada pessoa da corporação.

Fator Individual (FI)

Quando avaliamos o indivíduo e o que determina a qualidade de seu trabalho temos 2 pontos cruciais: a capacidade técnica para se realizar o trabalho e a motivação para o mesmo. Podemos inclusive colocar numa fórmula:

Trabalho = Capacidade X Motivação

Sobre Capacidade Técnica

A Capacidade técnica é influenciada pela Escolaridade, Experiência, o Quoeficiente de Inteligência e a capacidade cognitiva atual. A Escolaridade e a Experiência são incrementadas com dedicação e esforço. Mas todos são mediados pelo QI e pela capacidade cognitiva do momento.

Aqui já cabe salientar o quanto a saúde da mente e o bem-estar psicológico influenciam. No minucioso e extenso artigo do professor Ronald Kessler publicado em 2003 no JAMA vimos que a capacidade produtiva é comprometida em 40% nos casos depressivos moderados.

Outros estudos posteriores encontraram números semelhantes e comprovaram o quanto a capacidade cognitiva é afetada quando não existe um bem-estar psicológico. Hoje já é muito bem estabelecido na literatura que se a saúde da mente não está bem a Capacidade Técnica vai ficar comprometida.

A memória, a inteligência, o raciocínio e a linguagem vão ficar abaixo do esperado gerando erros práticos na tomada de decisão, acidentes de trabalho, conflitos internos, atendimento ruim e a assimilação de novos desafios fica seriamente prejudicada.

Deste modo, é um ponto onde a Psicologia da Produtividade já deve estar atenta, ao bem-estar psicológico de cada indivíduo.

Contudo, existe ainda outro ponto ainda mais crucial para que as intervenções possam ser mais rápidas e com melhor retorno. Estamos nos referindo à motivação.

produtividade

Sobre Motivação

Já vimos que o trabalho depende da capacidade técnica e da motivação.

Afinal, se algo não leva a uma ação por parte da pessoa o trabalho não será feito independente de quão preparada e capaz ela seja para exercê-lo. Por isso a motivação é essencial e aumentá-la traz um incremento em produtividade.

À vista disso, a motivação é um impulso interno que leva a uma ação. Relaciona-se com a vontade e é mediada em complexos circuitos cerebrais, iniciando com uma ideação nos lobos frontais (mais associados ao aspecto pragmático e racional) e sendo calibrada com aspectos emocionais no lobo temporal para finalmente já com o colorido aspecto afetivo ser aplicada por processos motores.

A personalidade e os valores pessoais influenciam diretamente na motivação tanto nos circuitos frontais quanto temporais. O bem-estar psicológico também tem um papel importante na motivação, mas é menor do que a Personalidade e os valores pessoais.

Quando tratamos da Psicologia da Produtividade é impossível não destacar o papel crucial que existe em adequar a personalidade de cada indivíduo com a função a ser exercida.

Desse modo, quanto maior esse alinhamento de valores pessoais com o trabalho a ser feito mais fácil de se gerir a motivação e maiores as chances de um ganho substancial na produtividade. Essa é uma oportunidade de intervenção que não pode ser subestimada.

Ao contrário, é uma intervenção estratégica que quando feita com inteligência pode mudar o cenário de qualquer organização.

Por fim, observamos que existem aspectos relacionados a Psicologia da Produtividade que são verdadeiras oportunidades para aumentar o rendimento de um time de trabalho num espaço de tempo reduzido e com um baixo custo.

Desse modo, acessar esses dados realizando intervenções de forma estratégica é a escolha inteligente de quem quer evoluir, por outro lado não o fazer pode significar um custo e um risco muito alto.

PARA SABER MAIS

Nosso texto sobre engajamento chegou ao fim, mas não deixe de ler outros posts no nosso blog. Confira também nosso blogpost sobre a Revolução Tecnológica no Capital Humano das empresas.

Quer saber mais sobre como a análise do perfil comportamental pode potencializar os resultados da sua clínica ou hospital? Fale com um de nossos especialistas e saiba mais sobre nossas soluções!

Categories
Gestão de pessoas

Para que servem os testes de personalidade para empresas?

Sempre que uma empresa abre um processo de seleção, surgem desafios comuns: como identificar se existe alinhamento entre o perfil do candidato e as demandas da organização? Quais são as características que podem aproximar o profissional da equipe com a qual ele terá que trabalhar no dia a dia?

Perguntas assim precisam ser respondidas para que o processo seja bem-sucedido. Quando isso acontece, os benefícios se dão na sequência do negócio, tais como na baixa taxa de turnover e no aumento da qualidade de vida no trabalho.

Para tanto, uma solução é aperfeiçoar os testes de personalidade para empresas. Eles podem ajudar você a identificar perfis e assim aproximar o comportamento do colaborador às necessidades da companhia. Quer saber mais? Então confira.

O que são os testes de personalidade

São avaliações feitas por psicólogos na busca pela identificação de tendências de comportamento e personalidade das pessoas. Com elas é possível identificar a compatibilidade entre o perfil de alguém e determinada vaga em oferta.

Teste de personalidade

Quando realizados como complemento de atividades como entrevistas e dinâmicas de grupo, esses testes podem revelar aspectos até então ignorados pelos selecionadores.

Trata-se de um recurso capaz de otimizar a contratação, pois permite a identificação de profissionais com características mais próximas das desejadas pelos contratadores.

Quais são as vantagens que os testes apresentam

Cada pessoa tem seus traços de personalidade. Quando eles são identificados, é possível ter uma dimensão mais fiel daquilo que é o caráter e o temperamento do indivíduo.

Assim, uma gestão que sabe exatamente qual tipo de profissional funciona melhor em determinado cargo, pode comparar essa exigência com os diferentes perfis que os candidatos apresentam.

As vantagens que o setor de Recursos Humanos pode oferecer para a empresa vão além do processo seletivo. Uma vez contratado, o colaborador pode progredir na companhia com maior facilidade se fizer parte da política dela ações, como treinamentos e promoções focados nos testes de personalidade.

Como os testes funcionam

Existem 2 tipos de testes, os objetivos e os projetivos. A diferença entre eles se dá na restrição das respostas, ou seja, os objetivos as limitam, enquanto os projetivos permitem maior liberdade.

Dentro desses grupos, existem opções. Os objetivos têm modelos como:

  • Inventário de Personalidade Multifásico do Minnesota;
  • Inventário Multiaxial Clínico de Millon-III;
  • Big Five;
  • TCI de Cloninger.

Já entre os projetivos, alguns modelos são:

  • Teste de Rorschach;
  • Teste da Árvore;
  • TAT – Teste de Apercepção Temática;
  • Teste da Metáfora Animal.

Como otimizar os testes

A tecnologia permite que esse tipo de atividade seja aperfeiçoada. Softwares, por exemplo, podem ser usados para trazer dados mais confiáveis para que a gestão realize uma tomada de decisão mais qualificada.

O ideal é que você tenha a informação como uma aliada para extrair de cada processo a eficiência desejada. Essa é a melhor maneira para investir no crescimento da empresa.

Otimizar os testes com tecnologia é o caminho para gerar esse benefício. Isso permite descobrir como pensam os profissionais e dessa forma contratar colaboradores alinhados com a estratégia da empresa, tendo como obter melhor rendimento, diminuir conflitos e otimizar o engajamento da equipe.

Enfim, os testes de personalidade podem ser a solução para sofisticar a ação dos profissionais na sua empresa. Tenha isso em mente e invista na sua prosperidade empresarial.

PARA SABER MAIS

Entendeu como funcionam os testes de personalidade para empresas? Baixe também nosso eBook: Reconstruindo o setor de RH.

Quer entender mais como melhorar o setor de gestão de pessoas e potencializar os resultados da sua equipe? Entre em contato e saiba como podemos ajudar com nossas soluções!

Categories
Uncategorized

Inteligência Emocional no trabalho: como ela pode te ajudar?

Inteligência emocional é uma habilidade. Quando uma pessoa a tem, é capaz de identificar suas próprias emoções e assim pode lidar com elas de maneira eficiente.

Os benefícios disso são muitos. Eles vão desde a capacidade de controlar impulsos até a canalização das emoções de acordo com o interesse do indivíduo. No ambiente de trabalho, ter inteligência emocional é de grande valia. Pessoas assim conseguem extrair da convivência resultados melhores e assim progridem na carreira.

inteligência emocional

É por isso que vale a pena saber mais sobre o assunto e aprender a lidar com a inteligência emocional no trabalho. Ficou interessado? Então confira.

A inteligência emocional nas relações profissionais

Dominar seus instintos e tomar decisões adequadas é um dos fatores que costumam diferenciar profissionais bem-sucedidos daqueles que se perdem pelo caminho. Pessoas que convivem diariamente no mesmo ambiente tendem a atritos eventuais. Nessa lógica, saber lidar com os impulsos é fundamental.

Quando pensamos em liderança, por exemplo, é comum que termos como resiliência e capacidade de adaptação sejam destacados. Mas de onde essas características podem surgir?

Da inteligência emocional. Com ela você pode lidar com imprevistos e situações repentinas de estresse no trabalho, tendo sempre a racionalidade como aliada. Isso melhora o seu relacionamento interpessoal, cria condições para que o ambiente se torne positivo e contribui com os resultados de toda a equipe.

Dicas de como desenvolver a inteligência emocional no trabalho

Conhecer melhor a si mesmo e as suas emoções

Como toda habilidade, a inteligência emocional também pode ser desenvolvida. Isso começa com a busca pelo autoconhecimento.

Somente assim é que você terá como identificar seus sentimentos logo quando eles surgirem para então atuar de maneira a, não só evitar atitudes precipitadas, como também, para usar seus pontos fortes no processo de tomada de decisões.

Desenvolver empatia

A empatia é uma segunda etapa nesse exercício. Quando você é capaz de se autoconhecer de maneira a lidar melhor com as próprias emoções, consegue melhorar sua relação com as pessoas.

Quando passa a reconhecer as emoções nas outras pessoas, consegue se colocar no lugar delas, e assim, criar uma comunicação mais amigável e construir um relacionamento melhor.

O esforço por enxergar o outro como a si mesmo é de grande valia dentro da busca pelo desenvolvimento da inteligência emocional.

Mantenha a motivação

Para dar o máximo no ambiente de trabalho, precisamos de uma educação emocional positiva. É ela que vai afastar os sentimentos ruins que tanto atrapalham a evolução profissional.

Essa educação emocional surge da motivação. É preciso desenvolver a capacidade de se motivar no trabalho para atingir metas e potencializar a inteligência emocional. Esteja sempre em busca de metas alcançáveis.

Transforme-se em um profissional capaz de dirigir suas emoções no sentido de um objetivo ou uma realização profissional, procurando deixar de lado emoções ruins para valorizar as boas.

No fim das contas, a inteligência emocional no trabalho precisa ser entendida como uma busca diária. Quanto mais você se esforça para alcançá-la, melhor tendem a ser seus resultados. Comece desde já e evolua profissionalmente.

PARA SABER MAIS

Gostou do nosso artigo? Não deixe de conferir outros textos em nosso blog. Veja também como identificar e aprimorar seu estilo profissional e as 4 atitudes dos melhores CEOs.

Quer entender mais como melhorar o setor de gestão de pessoas e potencializar os resultados da sua equipe? Entre em contato e saiba como podemos ajudar com nossas soluções!

Categories
Gestão de pessoas

Conheça as vantagens de se fazer uma Avaliação de Desempenho de funcionários

 A avaliação de desempenho de funcionários é um importante mecanismo para dar à gestão critérios para analisar seus colaboradores. Assim, tanto o desempenho individual quanto o trabalho em equipe podem ser devidamente acompanhados e aperfeiçoados com o tempo.

Avaliação de desempenho

O objetivo dessa avaliação é compreender as habilidades e competências para buscar soluções ou fortalecer determinada característica do profissional. Para tanto, são usados indicadores como a autoavaliação, a avaliação por competências e a avaliação por superior imediato.

Quer conhecer alguns benefícios que esse tipo de procedimento pode trazer para a sua empresa? Então, confira!

Alinhamento de metas e perspectivas

Com a avaliação de desempenho a empresa consegue identificar com maior precisão o perfil de cada colaborador. Isso é importante porque dá a gestão a condição de determinar tarefas de acordo com as melhores respostas que o funcionário tem para oferecer.

Muitas vezes as empresas perdem em produtividade porque não conseguem extrair o máximo de suas equipes. Para tanto, o primeiro passo é conhecer os recursos dos profissionais e assim torná-los compatíveis com os interesses da organização.

Identificação de habilidades e competências

Sabendo quais são os pontos fortes e fracos de cada profissional, a gestão tem como atuar no sentido de aperfeiçoar ou corrigir suas ações. Isso evita que a taxa de Turnover se eleve, uma vez que a gestão terá como agir de maneira pontual na resolução dos problemas que aparecerem.

O mesmo vale para situações em que as avaliações demonstram um grande potencial do colaborador em relação a determinada habilidade e competência, permitindo à gestão ter ação certeira no desenvolvimento de sua equipe.

Definição de planos de carreira

Uma maneira de gerar motivação no ambiente de trabalho é dar ao colaborador condições claras para que ele cresça dentro da companhia. Para tanto, o plano de carreira é um recurso fantástico, pois ele determina metas a serem alcançadas para que os profissionais alcancem cargos mais altos na organização.

O mapeamento dos processos e das características da equipe é um primeiro passo para que você monte um plano de carreira coerente com o seu empreendimento e capaz de gerar resultados para a equipe. Para conseguir isso, fazer a avaliação de desempenho é de grande valia.

Retenção de talentos

O bom trabalho com a informação pode facilitar a retenção de talentos dentro da sua empresa. Isso não diz respeito somente ao plano de carreira. Mas também a uma série de outros benefícios que podem ser criados com foco naquilo que realmente interessa para o seu colaborador.

Em um cenário em que as empresas têm enfrentado dificuldades cada vez maiores para manter profissionais qualificados, investir na avaliação de desempenho para que ela traga informações relevantes sobre sua equipe, certamente é um diferencial.

Enfim, a avaliação de desempenho permite que a empresa cobre de seus funcionários, mas que também os incentive de maneira racional. Isso é importante para que ela se destaque no mercado.

PARA SABER MAIS

Agora que você sabe a importância de uma avaliação de desempenho, não deixe de conferir outros materiais em nosso blog. Veja também nosso blogpost sobre recrutamento e seleção.

Confira nosso infográfico com análise das atividades do setor de RH ao longo do tempo.

Quer entender mais como melhorar o setor de gestão de pessoas e potencializar os resultados da sua equipe? Entre em contato e saiba como podemos ajudar com nossas soluções!

Categories
Gestão de pessoas

Big data no RH: veja como essa tendência pode melhorar seus processos

Tecnologia de ponta desenvolvida para atender às demandas do setor recursos humanos já é uma realidade. Extrair informações valiosas otimiza todo o processo de seleção e valoriza os profissionais que já estão quadro da organização.

Neste post, conheceremos mais sobre os benefícios da aplicação da ferramenta conhecida como Big Data no RH.

Todas as atividades de uma organização geram uma ampla gama de dados, desde o planejamento estratégico mais detalhado até a coleta de registros nas mídias sociais.

O Big Data atua justamente nesse processamento, colhendo e cruzando informações já disponíveis para expandir as oportunidades de negócio. Vamos descobrir mais!

O que é Big Data?

O conceito que conhecemos hoje se relaciona com o trabalho inovador de um engenheiro de software norte-americano, Doug Laney, que, em 2001, delimitou os três primeiros Vs do Big Data: volume, velocidade e variedade.

Big data no rh

O termo se refere a grandes bancos de dados que são processados e cruzados para gerar informações valiosas para diferentes segmentos de negócios, já que a mineração realizada pelo Big Data produz informações de forma ágil.

Os dados podem se dividir entre elementos estruturados ou não. O primeiro grupo se relaciona a um conjunto de informações organizadas, como um levantamento de candidatos em potencial para determinada vaga. Já os não estruturados designam elementos soltos, encontrados, por exemplo, em mídias sociais.

Como ele pode ser utilizado no RH?

Há um grande volume de dados disponíveis para serem utilizados pelos diferentes setores de uma organização, e com a área de Recursos Humanos não é diferente. Esses dados podem ser extraídos de fontes como documentos, sistemas integrados de gerenciamento, planilhas e, até mesmo, colhidos nas redes sociais.

O Big Data otimiza esse processo de extração de dados, provendo resultados para incrementar a gestão de pessoas. Com a implementação, é possível reunir informações relevantes para os processos de recrutamento e promoção dentro da companhia.

Dados como idade dos candidatos, pretensão salarial inicial, experiência no ramo e formação podem ser acumulados e cruzados por essa solução digital.

Dessa forma, os responsáveis pelo RH na empresa têm acesso facilitado a informações cruciais, podendo até filtrar as seleções por canais de comunicação específicos e descobrir a cidade mais próxima que apresente profissionais mais qualificados, por exemplo.

Quais são os benefícios da utilização do Big Data no RH?

Ele é utilizado, principalmente, na análise de talentos e proporciona uma análise mais apurada das informações sobre as pessoas que já trabalham na empresa e, ainda, sobre profissionais talentosos que estejam sendo observados.

O setor de Recursos Humanos é muito associado ao processo de contratação, mas a retenção de colaboradores valiosos para a organização também é uma das funções desse setor. Empresas que apresentam rotatividade muito alta acabam gastando demais com pessoas que não permanecem muito tempo em seu quadro.

Nesse sentido, ao utilizar o Big Data no RH, é possível conseguir uma visualização mais precisa da entrada e saída de profissionais na companhia — e estabelecer padrões entre essas ocorrências.

Dessa forma, é possível cruzar os dados e encontrar modelos que priorizem a gestão mais eficiente dos recursos e a retenção dos colaboradores mais talentosos.

Mas isso não quer dizer que os processos de contratação sejam negligenciados com a adoção da ferramenta. Com essa facilidade na procura e extração de dados, é possível cruzar as informações fornecidas por candidatos à vagas de acordo com o perfil pretendido.

Fica mais fácil descobrir novas possibilidades de contratação ao analisar outros fatores além das competências e do tempo de serviço no ramo. É possível avaliar com mais precisão, por exemplo, se um determinado candidato é propenso a abandonar as empresas em que trabalha no curto prazo, comprometendo os projetos em andamento.

Percebeu como a utilização do Big Data no RH fornece diferentes funcionalidades para embasar o processo de tomada de decisão da empresa? Investir nessa ferramenta é garantir que a sua companhia tenha vantagem competitiva e agregue valor aos processos gerais de seleção.

PARA SABER MAIS

Gostou do post e quer saber mais sobre novidades da área? Então, aproveite a visita e conheça também as 4 principais inovações em RH e os seus benefícios para o mercado!

Quer entender mais como melhorar o setor de gestão de pessoas e potencializar os resultados da sua equipe? Entre em contato e saiba como podemos ajudar com nossas soluções!

Categories
Gestão de pessoas

As 4 principais inovações em RH e seus benefícios para o mercado

Você já parou para pensar no quanto as inovações em RH podem contribuir para o sucesso de uma empresa?

Vamos refletir sobre o assunto: a modernidade trouxe consigo a possibilidade de agilizar processos, aumentar a produtividade e simplificar a tomada de decisões nas empresas. Isso se dá nos mais diferentes setores de uma organização.

No caso do RH, os avanços simplificam a realização de tarefas burocráticas e aperfeiçoam procedimentos como a comunicação com os funcionários. Consequentemente, isso permite que a ação do profissional do setor se torne mais estratégica, algo importante para a eficiência do serviço.

Inovações em rh

Sendo assim, conhecer as ferramentas disponíveis e entender como elas podem ser úteis para diferentes finalidades é fundamental. Quer saber mais a respeito? Continue a leitura e confira!

1. Aplicativos

Existem aplicativos mais específicos para o RH e outros, mais genéricos, que também podem ter utilidade. Alguns exemplos são os softwares de gestão e de controle de departamento pessoal, como o rhConvenia, muito útil para automatizar tarefas como o controle de férias, gestão de ponto eletrônico, cálculo de horas extras, entre outras ações.

Aplicativos de gestão de projetos como o Runrun.it também permitem mensurar o desempenho dos profissionais, gerando relatórios em tempo real. Opções assim, sofisticam o gerenciamento de tarefas e permitem um melhor desempenho nas atividades do dia a dia.

Além disso, existem soluções que facilitam o trabalho com a identificação de perfil profissional. O AnimusPlus é um exemplo de aplicativo que permite um processo de contratação mais eficiente para a empresa.

2. Gameficação

Um bom recurso para gerar engajamento é a gameficação. Com ela, o RH usa conceitos provenientes do universo dos games para engajar a equipe em função de um objetivo maior. Para isso, é preciso criar sistemas utilizando simulações de circuitos, rankings, medalhas, entre outros, de modo a transformar tarefas triviais em situações instigantes e divertidas.

Por meio de observação e de treinamentos, é possível identificar os pontos fracos da equipe e, a partir disso, criar as ações de gameficação. Quer um recurso para estimular a busca por resultados entre os colaboradores? Então, tenha um plano para superar obstáculos e manter a equipe motivada. Nesse contexto, a gameficação é uma ótima alternativa.

3. Big Data

O bom uso da informação sempre foi importante, mas em nenhuma outra época esse trabalho pode ser tão bem controlado quanto agora. A explicação para isso está no Big Data, um recurso que permite analisar dados e transformá-los em informação mais relevante para os interesses de uma organização.

Dentro da área de Recursos Humanos, informações detalhadas a respeito das equipes e de sua força de trabalho, permitem sofisticar a percepção da realidade da companhia e gerar boas oportunidades. Assim, o Big Data pode atuar no RH de maneira a tornar mais precisa a relação do setor com as informações da empresa.

4. People Analytics

Falar de RH é falar de pessoas. Sem um bom entendimento a respeito de como elas funcionam dentro dos processos, o setor terá pouca utilidade.

Com o People Analytics, é possível mensurar dados para identificar o comportamento dos colaboradores. Informações provenientes de diferentes fontes, como metadados, redes sociais, reviews de usuários, entre outras, são catalogadas e organizadas por um cientista de dados que identifica padrões.

Esse trabalho pode ajudar a gestão a enxergar os problemas antecipadamente, possibilitando a criação de um plano de ação de acordo com as necessidades identificadas, gerando um diferencial para o negócio.

Enfim, a tecnologia que serve para facilitar o dia a dia das pessoas por meio dos smartphones e das TVs digitais, também oferece múltiplas possibilidades profissionais. Sabendo reconhecer as oportunidades, naturalmente os resultados aparecem.

PARA SABER MAIS

Este conteúdo foi útil para você ficar por dentro das inovações em RH? Não deixe de conferir outros materiais em nosso blog. Veja também as grandes mudanças durante a evolução no departamento pessoal.

Baixe nosso ebook: Reconstruindo o setor de RH.

Quer entender mais como melhorar o setor de gestão de pessoas e potencializar os resultados da sua equipe? Entre em contato e saiba como podemos ajudar com nossas soluções!

Categories
Uncategorized

Afinal, o que é autoconhecimento? Nós te explicamos!

Sabe o que é autoconhecimento? É quando a pessoa entende tanto a respeito de si mesma que consegue identificar seus pontos fortes e fracos e tirar proveito disso. Essa capacidade também faz com que ela seja mais capaz de compreender aquilo que os outros demonstram e, dessa forma, conviver melhor em sociedade.

Autoconhecimento

Se você não se identificou com isso, não se preocupe: é possível desenvolver o autoconhecimento para obter benefícios tanto na vida pessoal quanto na vida profissional. O caminho é se voltar para si mesmo e procurar enxergar como você é e de que formas reage diante das diferentes circunstâncias da vida.

Quer saber as vantagens que isso oferece? Continue a leitura e confira!

Melhor convivência com o próximo

Aceitando a si mesmo, você tende a aceitar melhor o outro e a valorizar mais as relações humanas.

O processo de busca pelo autoconhecimento envolve a identificação das necessidades mais importantes para o indivíduo. Quando você as identifica, passa também a ver o mundo com outros olhos, compreendendo que as outras pessoas também têm suas dificuldades e que, muitas vezes, elas são difíceis de serem encaradas.

Consequentemente, você pode ter uma nova ótica em relação ao próximo, conhecendo e entendendo as pessoas e também respeitando as diferenças.

Entendimento de desejos e metas

A questão pessoal se mistura com a profissional quando o indivíduo não tem clareza a respeito daquilo que realmente o move.

Sendo assim, o autoconhecimento é fundamental para que as escolhas que a pessoa faz ao longo da vida sejam, de fato, compatíveis com seus sentimentos.

Uma escolha vocacional, por exemplo, pode ser mais acertada, considerando seu perfil pessoal, se você conhecer aspectos particulares de sua personalidade, evitando ações e até carreiras infelizes.

Potencialização da confiança

A partir do momento em que passa a confiar mais em si mesmo, você passa a ver o mundo com outros olhos. Muito do que nos gera insegurança em relação às pessoas tem a ver com erros cometidos no passado.

Assim, quando percebemos o que funciona e o que não funciona para nós, a tendência é que cometamos menos erros, o que nos torna mais confiantes em relação ao mundo.

Maior inteligência emocional

Quando você usa suas emoções de maneira racional na busca por seus objetivos, você trabalha a sua inteligência emocional. Isso é muito importante no ambiente de trabalho. Controlar medos, inseguranças, entre outras emoções e sentimentos, é um dos diferenciais dos profissionais de sucesso.

Assim, o primeiro passo para desenvolver inteligência emocional é procurar o autoconhecimento, pois é ele que dará a você as condições para lidar com os desafios do dia a dia com confiança.

Saber o que pode fazer

As pessoas são diferentes umas das outras e isso precisa ser visto como algo saudável. Com o autoconhecimento, você consegue identificar dentro de si o que pode e não pode fazer.

Além daquilo que realmente quer e o que não quer para, a partir disso, criar seu próprio estilo. Esse entendimento ajuda a trabalhar em equipe e a evitar desgastes desnecessários.

Enfim, para desenvolver o autoconhecimento, é preciso se questionar, explorar novas experiências e estar sempre aberto a mudanças de opinião. Ter um tempo para si, seja para praticar atividades físicas, seja para meditar, por exemplo, é uma maneira de manter sua saúde física e psicológica em dia.

Além disso, pratique o silêncio. Ele é muito importante para ajudar você a encontrar novos caminhos. Caso sinta a necessidade, procure ajuda profissional. O serviço de coaching, por exemplo, trabalha em função de metas, o que pode dar a você condições para encontrar o autoconhecimento mais rapidamente.

PARA SABER MAIS

Agora que você sabe o que é autoconhecimento, aproveite também para conhecer mais sobre personalidade profissional e como encontrar o emprego ideal!

Quer entender mais como melhorar o setor de gestão de pessoas e potencializar os resultados da sua equipe? Entre em contato e saiba como podemos ajudar com nossas soluções!

Categories
Gestão de pessoas

5 boas práticas no desenvolvimento de um roteiro de entrevista

O processo de recrutamento e seleção é muito importante para o sucesso de uma empresa. Para que o recrutador escolha o profissional ideal, a etapa de entrevista com os candidatos deve acontecer de forma eficiente. Para isso, ter um roteiro de entrevista se tornou um item essencial.

Ele é um guia com perguntas pré-definidas para os recrutadores utilizarem durante o processo seletivo. Esse documento ajuda a focar no que importa, que é conhecer o candidato, sem dar espaço para uma conversa informal ou esquecer de passar alguma informação importante.

Roteiro de entrevista

Veja também 3 dicas de como contratar bem um novo colaborador. Continue lendo!

1. Analise o perfil inicial do candidato

Durante a entrevista, o recrutador deve falar o mínimo possível. O candidato deve se sentir confortável para se expressar e falar sobre as suas experiências e habilidades.

Caso ele fale de maneira vaga sobre alguma atitude ou experiências passadas, não deixe de questioná-lo para entender melhor a situação. O roteiro de entrevista não deve ser engessado.

Ao longo do processo você deve estar atento para perceber quais perguntas são mais indicadas para conhecer profundamente o perfil do candidato.

2. Desenvolva perguntas coerentes com a proposta e a cultura da empresa

Para um processo seletivo bem-sucedido, os recrutadores precisam entender quais são as necessidades da empresa e as particularidades e desafios do setor para definir o perfil ideal para a vaga. A partir dessas informações é possível fazer um roteiro de entrevista mais eficiente.

A entrevista é o momento ideal para perceber se a cultura e os objetivos da empresa combinam com o candidato.

Esse alinhamento é importante para manter um bom clima organizacional. Assim, é possível evitar o aumento do turnover e para diminuir possíveis frustrações do entrevistado com a organização.

3. Entenda quais tipos de dinâmica trabalham melhor para as áreas dos candidatos

Usar as mesmas dinâmicas de grupo para vagas de diferentes níveis e setores não é a melhor opção. Cada uma tem os seus objetivos, que ajudam a identificar competências diferentes.

Assim como as perguntas, fazer uma seleção prévia da dinâmica que será utilizada durante o processo evita imprevistos e garante que os candidatos sejam avaliados de acordo com a descrição do perfil ideal para a vaga.

4. Faça perguntas analíticas e descritivas

Perguntas fechadas e que são respondidas com “sim”, “não” ou “talvez” dificultam o processo de conhecer o candidato. O recrutador só conseguirá as respostas que procura se fizer as perguntas corretas.

Priorize perguntas abertas, em que o entrevistado tenha que falar sobre experiências passadas ou habilidades que ele adquiriu ao longo da carreira.

5. Forneça informações sobre o cargo

Durante a fase de recrutamento e seleção o candidato também deve “aprovar” a empresa. Para isso, ele deve receber todas as informações para que não tenha nenhuma dúvida sobre o cargo, o que pode ocasionar uma desistência no futuro.

Inclua no roteiro de entrevista a descrição do cargo e detalhes como as tarefas, o salário, o horário de trabalho, o plano de carreira, entre outras dúvidas que podem surgir durante o processo.

A etapa de recrutamento e seleção é muito importante na formação de equipes capacitadas e produtivas, que são diferenciais em um cenário empresarial competitivo como o atual. O roteiro de entrevista é um guia essencial para contratar pessoas qualificadas para fazer parte do time.

PARA SABER MAIS

A sua empresa utiliza um roteiro de entrevista nos processos seletivos? Não deixe de conferir outros materiais em nosso blog. Baixe nosso ebook: Reconstruindo o setor de RH.

Quer entender mais como melhorar o setor de gestão de pessoas e potencializar os resultados da sua equipe? Entre em contato e saiba como podemos ajudar com nossas soluções!

Categories
Uncategorized

3 grandes mudanças durante a evolução do Departamento Pessoal

Assim como nos demais setores da empresa, também podemos observar uma evolução do departamento pessoal. Essa evolução é marcada pelas mudanças na realidade corporativa e no mercado de trabalho, que forçam uma adaptação desse setor, para que a relevância e a competitividade das empresas sejam mantidas.

Os fatores que levaram a essa evolução foram os mais diversos, de acordo com as mudanças nas relações entre profissional e empresa. As transformações que o mundo passa também impactam na maneira como uma organização lida com os seus colaboradores, afetando diretamente a estrutura corporativa.

Departamento pessoal

Se você tem curiosidade de conhecer quais as mudanças atuais que estão ditando as novas regras do DP e do RH, continue lendo este post!

Quais fatores influenciaram a evolução do departamento pessoal?

O departamento pessoal surgiu após a criação do Ministério do Trabalho e, desde então, vem sofrendo mudanças significativas em sua estrutura.

A princípio, seu papel era exclusivamente burocrático, com o intuito de atender as exigências legais que permeiam uma relação de trabalho entre funcionário e empresa.

A partir dos anos 50, as mudanças no mercado de trabalho começaram a alterar as características e funções do departamento. A mudança do sistema autoritário de trabalho para o mais colaborativo exigiu um outro enfoque do setor, que passou a valorizar uma postura mais flexível.

Nos anos anteriores, podemos perceber que a mudança de estrutura do trabalho e das necessidades organizacionais ditou a evolução do setor. Vivemos, atualmente, a predominância da tecnologia, que também afetou o RH. Podemos, então, levantar as 3 mudanças principais provocadas pela digitalização.

Quais são as grandes 3 mudanças atuais do departamento pessoal?

1. Uso de ferramentas tecnológicas

O uso crescente da tecnologia no mundo corporativo também trouxe transformações para o RH e o departamento pessoal, ajudando a aumentar a eficiência e a eliminar trabalhos manuais, que tomavam muito tempo dos colaboradores desse setor.

Com essas ferramentas, a empresa obtém mais precisão nas informações prestadas, evitando problemas no pagamento dos direitos dos funcionários.

2. Mudança de papel

Como consequência do menor volume de trabalho braçal causado pelo uso de softwares, o RH passou a assumir um papel mais estratégico, voltado para a gestão de pessoas.

O departamento se tornou responsável pela coleta de dados relacionados aos funcionários, direcionando a formação de equipes e o desenvolvimento de cada colaborador, mantendo-os engajados e produtivos.

Assim, a organização consegue aproveitar as habilidades de todos em prol do alcance de metas, potencializando seu crescimento.

3. Integração com os demais setores empresariais

O departamento pessoal, hoje, é muito mais integrado com os outros setores da empresa, fazendo parte de um organismo completo e não mais como um departamento isolado.

A partir do momento em que se começou a procurar uma melhor compreensão dos processos e das demandas da organização, as ações voltadas ao pessoal passaram a ser mais direcionadas para preencher lacunas e falhas que possam surgir.

Com os setores trabalhando em sua capacidade máxima e de maneira integrada, as chances de os resultados ultrapassarem as expectativas aumentam.

Conhecer os fatores impactantes e as principais mudanças durante a evolução do departamento pessoal vai ajudar a manter a sua empresa lado a lado com as inovações, permitindo um exame detalhado desse setor tão importante e a implementação de novas práticas e recursos.

Se você percebe alguma mudança na sua empresa que não foi citada, deixe seu comentário no post e divida a experiência conosco!

PARA SABER MAIS

Agora que você já sabe sobre a evolução do Departamento Pessoal não deixe de conferir outros materiais em nosso blog. Veja também nosso infográfico com análise das atividades do setor de RH ao longo do tempo.

Quer entender mais como melhorar o setor de gestão de pessoas e potencializar os resultados da sua equipe? Entre em contato e saiba como podemos ajudar com nossas soluções!